Câmpus Caiapônia realiza mais uma edição do "Intervalo Cultural"

Publicado em: 20-09-2018


Aconteceu na última quarta-feira, 12, durante o intervalo das aulas, mais uma edição do “Intervalo Cultural” da Universidade de Rio Verde (câmpus Caiapônia), com o tema “As consequências da produção de lixo”.  O evento foi organizado pelo Núcleo de Atividades Complementares e Extensão (NACE), com o objetivo de ampliar os horizontes culturais dos acadêmicos.

Para esclarecer sobre o impacto do aumento constante da produção de lixo, os participantes puderam assistir ao curta-metragem brasileiro “A Ilha das Flores”, produzido em 1988 pelo cineasta Jorge Furtado. Para exemplificar essa desigualdade, o documentário se inicia no campo de cultivo de tomates, mostrando desde o plantio até a sua transformação em lixo. Após serem descartados, juntamente com o restante do lixo, os tomates são levados para um aterro sanitário. Lá, o material orgânico considerado adequado é selecionado como alimento para suínos de um dono de um terreno no local. O resto, que é considerado inadequado para os porcos, serve de alimento para diversas famílias.  

Segundo o coordenador geral do câmpus Caiapônia, professor Esp. Marcos Aparecido da Silva Souza, mesmo tendo sido produzido a mais de 30 anos, o filme trata de um tema atual, com linguagem dinâmica e de fácil compreensão, mostrando como a economia gera relações desiguais entre os seres humanos.

Após a exibição, os discentes participaram de uma oficina ministrada pelo professor da Faculdade de Engenharia Ambiental, Santiago Soares da Silva, onde puderam aprender sobre o processo para fabricação de uma composteira doméstica, que transforma restos de comida em adubo orgânico. De acordo com o acadêmico Rafael Gomes Pereira, os presentes puderam aprender como reduzir a produção de lixo de um modo fácil e com um baixo custo, dando um destino correto aos resíduos.


Fotos: Câmpus Caiapônia