Docente e acadêmicas de Medicina campus Aparecida publicam artigo

Publicado em: 25-06-2020

A docente da Faculdade de Medicina da Universidade de Rio Verde – UniRV (Campus Aparecida), professora Heloísa Silva Guerra e as acadêmicas Isabela Maria Melo Miranda, Helen Hana Fernandes Tavares, Heloísa Rodrigues Soares da Silva, Monise Santana Braga e  Raquel de Oliveira Santos, publicaram o artigo “Qualidade de Vida e Graduação em Medicina” na revista Brasileira de Educação Médica.  


O trabalho desenvolvido teve como objetivo avaliar a qualidade de vida de acadêmicos de Medicina e seus fatores associados, o estudo analisou os resultados de 419 acadêmicos do curso de Medicina de uma fundação pública de Goiás.  


Resumo do artigo: 
Nos últimos anos, tem-se questionado sobre a qualidade de vida dos estudantes de Medicina dado o contexto em que estão inseridos. O estresse como resultado do somatório de carga horária extensa, dificuldade de conciliar a vida acadêmica com a pessoal e exposição a situações de dor e sofrimento tem-se mostrado como o principal fator para a queda da qualidade de vida desses acadêmicos. O objetivo deste estudo foi avaliar a qualidade de vida de acadêmicos de Medicina e seus fatores associados. Método: Trata-se de um estudo transversal realizado com 419 acadêmicos do curso de Medicina de uma fundação pública de Goiás. Foram incluídos alunos a partir de 18 anos e matriculados no curso do segundo ao oitavo período, de 2017 a 2018. Utilizaram-se os questionários sociodemográfico e de hábitos de vida e o World Health Organization Questionnaire for Quality of Life – Brief Form (WHOQOL-bref). Resultados: Os fatores relacionados com a baixa qualidade de vida foram: sexo feminino, utilizar estimulantes, pensar em desistir do curso e possuir comorbidade. Os relacionados com melhor qualidade de vida foram consumir frutas e hortaliças, praticar atividade física, mais tempo de sono e gestão do estresse. Conclusão: Este estudo encontrou um conjunto de fatores capazes de interferir na qualidade de vida desses estudantes, sugerindo a necessidade de intervenções direcionadas ao apoio pedagógico e psicológico.  

 
Acesse o artigo completo aqui